Seja bem-vindo ao nosso blog.

Álcool metílico realmente tira a umidade de sistemas de refrigeração?

Um sistema de refrigeração deve estar livre de qualquer impureza para funcionar em sua capacidade máxima. Na ausência de uma bomba de vácuo, alguns técnicos da área podem buscar soluções adaptadas para atingir a limpeza do sistema, inserindo diferentes fluidos secantes no sistema. O mais popular deles é o álcool metílico.

Um sistema que passou por um processo de desidratação apropriado, atingindo um vácuo abaixo dos 500 mícrons, raramente precisará de uma limpeza mais aprofundada durante manutenções de rotina. No entanto, essa é uma situação que pode acontecer.

Essa pode ser uma situação complicada se o técnico não dispõe das ferramentas certas. Isso faz com que alguns profissionais recorram a métodos não recomendados, utilizando fluidos alternativos como gasolina ou álcool para reduzir a umidade interna.

É importante destacar que o uso dessas substâncias não é indicado e é, inclusive, condenado por muitas fabricantes. Esse “jeitinho” é uma medida paliativa e ultrapassada que pode causar danos irreparáveis ao compressor e outros componentes do sistema de refrigeração.

Como o álcool metílico funciona dentro de sistema de refrigeração?

Antes da popularização das bombas de vácuo, o álcool metílico era aplicado em sistemas a fim de eliminar a umidade. O processo ocorria com o compressor em funcionamento. O álcool era introduzido no sistema através da sucção de um filtro com rabicho. Dessa maneira, o álcool era sugado, levando consigo a umidade da tubulação diretamente para o compressor.

Essa prática, em conjunto com o uso de filtros sem sílica, apenas adia os possíveis problemas que um sistema contaminado pode acarretar. Além disso, o álcool metílico reage quimicamente com o óleo lubrificante do compressor, mudando drasticamente sua composição e viscosidade.

O uso de filtros com sílica é essencial para a desumidificação do sistema de refrigeração.

Por que o álcool metílico prejudica o sistema de refrigeração?

O álcool metílico desloca a umidade dos tubos diretamente para o compressor. Dessa maneira, a umidade, junto com o álcool, corrói o verniz da bobina do equipamento. Isso reduz a vida útil do aparelho.

Além disso, o óleo de lubrificação sofre alterações em sua composição, isso desgasta partes móveis importantes, como o cabeçote. Então, o compressor acaba funcionando de maneira sobrecarregada.

Em quais situações o sistema de refrigeração precisa ser limpo?

Processos que envolvem a substituição de compressores ou filtros demandam a limpeza interna de todo o sistema de refrigeração.

Além de funcionar de forma insatisfatória, um sistema de refrigeração com umidade em seu interior tem a sua vida útil extremamente reduzida. O processo de limpeza, portanto deve, acima de tudo, preservar o baixo nível de umidade no sistema.

Para tanto, o uso de substâncias controladas por órgãos de regulamentação rigorosos é essencial. O produto mais popular seguro no mercado atual é o solvente R141B. Sua composição não reage quimicamente com nenhum outro componente, além de não causar a corrosão interna das tubulações.

Lembre-se sempre que o uso de substâncias como o álcool metílico anula os termos de garantia, em caso de mau funcionamento do aparelho.

A Embraco, uma das mais respeitadas fabricantes de compressores do Brasil, permite a limpeza interna do equipamento apenas com R141B.

Afinal, qual a função do álcool metílico? Como posso substituí-lo?

O álcool metílico é um poderoso desinfetante e pode ser usado em processos de limpeza de partes de ar condicionado, geladeira e diversos outros equipamentos. Esse é um processo especialmente necessário em aparelhos expostos a germes e bactérias, como filtros de ar condicionado split em hospitais e hotéis.

Para realizar uma boa instalação, o uso de uma bomba de vácuo é essencial. Além disso, as boas práticas de refrigeração orientam que sistemas de refrigeração sempre contem com filtros secadores com sílica, não somente a rede protetora. A função da sílica é, além de reter partículas, absorver toda a umidade que pode permanecer dentro do sistema, mesmo após um processo de vácuo bem feito.

Esse texto foi útil para você? Nós temos muitos outros em nosso site. Achamos que você pode gostar desses aqui:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe